Olá pessoal, retirando a poeira daqui =)




O verão se foi, veio o outono com sua brisa fresca e o seu céu nublado. As últimas semanas trouxeram um vento gelado, ando enrolada debaixo do edredom aos domingos, que são sempre entediantes. Esses domingos que nos fazem lembrar que a saudade existe e nada mais será como antes. Uma folha que caiu, o café que esfriou, uma curva que mudou o destino e nenhum caminho mais se encontra perto das urgências de antes. E tudo parecia ter tanta pressa.

Foram meses de um choro baixinho embalando a minha cama na calada da noite, foi uma agonia silenciosa, uma espera incessante, mas hoje isso terá seu fim. Porque quando eu fecho os olhos é você quem eu vejo, Beto. Na varanda daqui de casa, no nosso quarto, na sala de estar, em cada azulejo, até a água tem o seu sabor. É você quem sorri, morde o lábio, levanta a sobrancelha quando está irritado, me conta histórias, me tira do sério quando deixa a toalha em cima da cama, me faz perder o fôlego de tanto rir.

Eu juro que não queria estar em lugar nenhum nesse momento que não seja no aconchego dos seus braços, Beto, ouvindo a sua voz macia que me traz a possibilidade de tantos dias ensolarados. É você, Beto, mais ninguém. São nas suas mãos que fazem me sentir desejada e tão absolutamente sua!

Fecho os olhos e sinto seu cabelo roçando a minha pele causando uma temperatura elevada no meu corpo, fazendo com que o mesmo se torne luminoso. Você me rendeu belos textos e eu sempre vou ser grata por isso. Como eu senti saudade de me sentir viva! Como eu senti saudade de mim, de você, de nós! Como eu cresci de mês em mês com a sua ausência, você sentirá orgulho de mim, como cuidei tão bem do nosso cantinho, esperando assim, como eu, ansiosamente pela sua chegada. Fecho os olhos e quase posso sentir a sua boca roçando no meu pescoço e eu ouço a vida pulsando outra vez. Saudade? Agora quase nada.

Ouvindo Million Reasons - Lady Gaga