Espiral

/ agosto 07, 2017


Estava relendo alguns textos meus que são bem antigos e quero compartilhar aqui com vocês. Relevem, ele é de 2009 para 2010, mas eu o acho fofo, apesar dele ser simples e não ter muito desenvolvimento técnico, foi bem no começo quando eu comecei a escrever. Ainda bem que a minha escrita melhorou muito hehehehe.


Venha segurar a minha mão eu quero sentir a vida. Enquanto eu sinto que estou feliz nada pode tirar você de mim. Eu sonhei e minha alma viajou milhões de anos luz só para encontrar respostas, estou encontrando-as, mas enquanto os dias passam vão mudando as perguntas. Eu sonhei de novo e encontrei o seu olhar cruzando com o meu. Nada parece está tão ruim quando eu te tenho aqui e lembrando que você me dizia “depende do modo como você vê as coisas”. Eu caminhei tanto e cheguei tão longe, mas essa estrada não parece ter fim, foi nessas curvas que você se perdeu de mim. Eu tenho conversado com a paciência e com a distância e te digo que eu ando tão mais leve, mais solta. Não estou correndo atrás de nada e nem correndo mais do que minhas pernas aguentam. E se um dia desses o seu caminho voltar a se cruzar com o meu eu não mudarei de esquina.


Estava relendo alguns textos meus que são bem antigos e quero compartilhar aqui com vocês. Relevem, ele é de 2009 para 2010, mas eu o acho fofo, apesar dele ser simples e não ter muito desenvolvimento técnico, foi bem no começo quando eu comecei a escrever. Ainda bem que a minha escrita melhorou muito hehehehe.


Venha segurar a minha mão eu quero sentir a vida. Enquanto eu sinto que estou feliz nada pode tirar você de mim. Eu sonhei e minha alma viajou milhões de anos luz só para encontrar respostas, estou encontrando-as, mas enquanto os dias passam vão mudando as perguntas. Eu sonhei de novo e encontrei o seu olhar cruzando com o meu. Nada parece está tão ruim quando eu te tenho aqui e lembrando que você me dizia “depende do modo como você vê as coisas”. Eu caminhei tanto e cheguei tão longe, mas essa estrada não parece ter fim, foi nessas curvas que você se perdeu de mim. Eu tenho conversado com a paciência e com a distância e te digo que eu ando tão mais leve, mais solta. Não estou correndo atrás de nada e nem correndo mais do que minhas pernas aguentam. E se um dia desses o seu caminho voltar a se cruzar com o meu eu não mudarei de esquina.
Continue Reading
Olá galera
Hoje eu vim contar para vocês sobre a minha viagem para Curitiba que aconteceu semana passada. Eu viajei com uma amiga e assim que nós chegamos, fomos visitar o Museu do Holocausto que para mim é uma das melhores atrações da cidade. O Holocausto é super rico em cultura e nos conta detalhes da perseguição com os judeus e dos seus sobreviventes com mensagens de áudios, fotografias, roupas e sapatos de quem viveu naquela época. Se você é apaixonado por história assim como eu, não deixe de visitar.
No dia seguinte fomos fazer o passeio de trem para a cidade de Morretes. A rodoviária de lá é bem bagunçada e só conta com um senhorzinho de idade para atender uma fila quilométrica, então não passe pelo perrengue que nós passamos, compre a passagem de ônibus da volta antecipadamente. Nem tinha mais passagem para Curitiba, tivemos que comprar uma passagem para Paranaguá e de lá ir para Curitiba 😡 O passeio de trem é meio cansativo, ficamos umas quatro horas, mas a paisagem é legal e tem um guia turístico que vai contando a história da cidade, das cachoeiras, de tudo. Nem conseguimos aproveitar direito para conhecer Morretes já que perdemos uma hora na fila da rodoviária para comprar a passagem de volta. Todo mundo que faz esse passeio volta de ônibus, além de ser mais barato você perde menos tempo. E tem de várias classes, camarote, até de luxo, eu queria ir no de luxo hehehe quem sabe na próxima! 
A noite a cidade é bem boa, pegamos aquele friozinho gostoso de 2 graus a 6 graus. Não deixem de ir ao Hard Rock Café, é o único que tem no Brasil, é lindo por dentro e por fora e dá para tirar altas fotos, fora o showzinho ao vivo, as dancinhas dos funcionários, é bem legal a estrutura do lugar. 
Os pontos turísticos de Curitiba são lindos, O Jardim Botânico, a Ópera de Arame, o bosque João e Maria, o memorial Ucraniano, o memorial Polônes, a gente encontra nessas lojinhas dos memoriais aquele ovinho polonês sabe chamado Pêssankas que é todo trabalhado em madeira e desenhos que indicam prosperidade e uma vida cheia de graças. É bem interessante a cultura polonesa. Essas Pêssankas são um pouco caras os de madeira são de R$ 70 para cima, mas você não consegue barato nem na própria Polônia. Os memoriais de lá são lindíssimos parece que você realmente está na Europa. 
Mas, nem tudo são flores, vou separar aqui para vocês as partes boas e as ruins da cidade.




PARTES BOAS
* Os Memoriais são super interessantes, principalmente do Holocausto, do Polônes e do Ucraniano. 
* A cidade é cheia de flores e tem aquele clima europeu agradável
* Para quem gosta de frio assim como eu, vá para Curitiba
* Vá no Bar do Alemão e peça o submarino, é uma cerveja que por dentro vem uma canequinha pequenina e que você pode levar para casa.
* O Hard Rock Café é imperdível.
 PARTES RUINS
* O Passeio de trem é bem cansativo e ele dá várias tranqueiras no meio do caminho, parece um ônibus que fica freando toda hora.
* O turismo da cidade é desorganizado. O ônibus turístico estava todo mundo reclamando que estávamos todos amassados e esmagados, existe muitos poucos ônibus circulando pela cidade e você tem que ficar esperando por ele na hora marcada para ele te levar para os outros pontos, se você perder, babau.
* Ninguém na cidade sabe te informar nada, parece que todo mundo é turista, não sei como aquele povo sabe voltar pra casa. Chega a ser irritante porque ninguém sabe te informar nada e quando informam é errado. Confie mais no google maps, é mais seguro.
* Não se engane, Curitiba não é tão mais segura assim, tem muitos mendigos e gente estranha andando pelo centro. Cuidado por onde você anda, em noites muito frias depois das 19:00h a cidade fica meio deserta.

É isso pessoal, espero que tenham gostado das dicas.








Memorial Ucraniano






Pêssankas
Gênero: Drama
Duração 2007 - 2012 Seis Temporadas
Criadores Josh Schwartz e Stephanie Savage
Do Livro: Gossip Girl de Cecily von Ziegesar

Gossip Girl here, your one and only source into the scandalous lives of Manhattan's elite. Who am I? That's one secret I'll never tell. You know you love me. XOXO, Gossip Girl.

Tradução
Gossip Girl aqui, sua única fonte por dentro dos escândalos da elite de Manhattan. E quem sou eu? Esse segredo eu nunca vou dizer. Vocês  sabem que vocês me amam. Beijinhos, Gossip Girl. 


Quem nunca ficou com esse textinho da abertura gravado na sua memória e quem nunca reproduziu em voz alta imitando a narradora, que atire a primeira pedra? hahaha

                                                                             Queen B

Há dez anos atrás ia ao ar o primeiro episódio de Gossip Girl, um fenômeno que se tornou ícone de uma geração inteira. Com cenas belíssimas externas gravadas pelas ruas e pelos pontos turísticos de Nova York. A série aumentou a quantidade de turistas, além de outdoors estampados com as caras do elenco se tornando ícone de moda, de comida, de música e de bares. Se você quer conhecer a comida de Nova York, assista Gossip Girl, se você quer ter uma ideia dos pontos principais da cidade, assista Gossip Girl, se você quer conhecer a música e a vida noturna de Nova York assista Gossip Girl. A série ditou moda, quem nunca quis usar as faixas e os arcos da Queen Blair na cabeça? Ou aqueles vestidos maravilhosos da Serena? Com várias participações de estilistas famosas do mundo em vários episódios, a série foi tão explosiva que até o ex presidente OBAMA citou Gossip Girl numa transmissão pública. Além de Nova York, a série nos deu o privilégio de encher os nossos olhos com as paisagens deslumbrantes de Paris e Los Angeles, já que alguns episódios foram gravados lá também.



 Na minha opinião, era para ser uma série adolescente, mas Gossip Girl sempre foi muito adulta com pano de fundo juvenil, os exageros nas cenas de drogas, álcool, sexo a trois, causou polêmica entre os pais dos jovens que assistiam a série. Se a série fosse lançada agora nessa geração, onde todo mundo problematiza o problema acredito que os autores teriam mais cuidado ao retratar certos assuntos que deixaram a gente de boca aberta várias vezes. Teríamos mais cenas de amizade entre Serena e Blair e menos brigas entre elas, seriamos mais Blerina.








Eu sou super fã do Josh, ele consegue sempre retratar muito bem a elite jovial americana com ótimos conflitos e uma pitada de comédia, ele é o mesmo autor de outro sucesso anterior The OC e está para lançar agora em outubro a primeira temporada de Dynasty como sempre mostrando as mansões milionárias que é o seu forte, que eu estou doida para assistir. 
                                                           Quinta temporada - Mais adultos
Acredito que até hoje os atores não conseguiram se desvincular dos personagens que foram bem marcantes como é o caso do Ed (Chuck) e da Leighton (Blair). Quando o Ed vem ao Brasil, ele é sempre perguntado um possível remake de Gossip Girl. Eu como adoradora de séries está para nascer um casal que tenha tanta química quanto Chuck e Blair, eles deixam qualquer pessoa sem fôlego. O outro casal da série Serena e Dan nunca conseguiu me convencer e foram ofuscados pelo talento da Blair, considerada a alma do seriado pela critica. Para mim sempre foi muito claro que o Dan era a Gossip Girl, por ele ser o escritor da série e por ele ser o menino pobre que se vitimiza que faz tudo para entrar no mundo dos ricos e se socializar com eles. Não sei para vocês, mas para mim teve muita lógica ele ser a Gossip Girl, só poderia ser ele ou a Jenny. 
                                                                      Blair e Chuck

"O Upper East Side era algo como Fitzgerald ou Thackeray. Adolescentes agindo como adultos, adultos agindo como adolescentes, guardando segredos, espalhando fofocas, tudo com a pompa de uma riqueza enorme. E a filiação nessa comunidade é tão elitizada, que você não pode comprar a sua entrada. Era um direito de nascença, um direito que não tive e que minhas maiores realizações nunca me fariam conquistar. Tudo o que eu tinha em comparação era o que tinha lido, mas isso me deu a ideia. Como eu não tinha nascido nesse mundo, talvez eu pudesse escrever como alguém que estivesse dentro. Ouvi conversas o suficiente para imitar a linguagem das meninas da Constance, mas todo escritor precisa de uma musa. E quando vi a foto de Serena, naquele vestido branco, eu soube que teria algo forte para criar uma lenda. E lançar um site. Em algumas semanas, recebi dezenas de e-mails, com histórias sobre Upper East Siders, então eu postei tudo anonimamente. E então consegui mais. Em pouco tempo o blog virou um monstro. Todos enviaram informações. E quando Serena voltou do internato eu escrevi o primeiro post sobre mim… Garoto solitário, o invisível, o oprimido . Eu me tornei uma piada, mas pelo menos estavam falando de mim”
                                                                        Dan e Serena
Gossip Girl faz todo sentido, o poder, os romances, as vilanias, desvio de dinheiro, tráfico, a forma como se usavam e usavam a Gossip Girl para alguma informação importante e para denegrir a imagem de outra pessoa exatamente como todos nós fazemos dia a dia nesse mundo tão tecnológico, são retratados de uma forma muito bem feita. Eu nunca gostei do Dan, sempre o achei sonso com cara de menino bonzinho, mas ele não é tão vilão assim quando você analisa que ali ninguém é mocinho de verdade, com exceção do Nate, que se os jovens de Uper East Side não enviassem fofocas e dicas para a Gossip Girl o blog não teria tanta fama e poder. A série nos faz refletir como estamos expostos nas redes sociais, de como nos sentimos mal quando espalham fofoca nossa na internet, como as pessoas usam umas as outras de uma forma negativa na internet. Eu poderia ficar aqui o dia todo falando da série porque eu sou muito fã. Uma série com pano de fundo juvenil, mas BEM ADULTA. Uma série gostosa, engraçada, linda e com um ótimo elenco e ótimos conflitos que você se sente vontade de assistir de novo, de novo e sempre. Xoxo. 

Chuck e Blair FOREVER


Título: A Herdeira do Vento e o Tesouro Celeste Vol 1
Autor: Jefferson Navarim
Editora: Multifoco
Páginas: 205



 Nem sempre o legado que é deixado para nós é algo bom. Às vezes carregamos um fardo de sermos comparados com façanhas ruins de nossos pais. Assim é com Ven Gaoithe mais conhecida como a Filha do Vento, a pirata capitã do aeronavio do Fortuna de Cellis, deixado pelo seu pai Mads, mais conhecido por seus inimigos como “O Louco”. Mads era um pirata assassino, violento, que conquistou vários inimigos pela sua vida, mas havia uma única pessoa em que ele era bom e que amava, sua filha Ven.
A história já começa bem eletrizante com os inimigos do seu pai o ferindo e o levando a morte, mas antes de morrer ele se despede de sua filha que tinha apenas onze anos na época. Deixando para ela uma herança de mortes e inimigos que ela terá que combater e sobre os cuidados de Dimitri, cozinheiro do aeronavio e Sokkan, o arquiteto do aeronavio que se tornam seus novos pais. Um detalhe que quase passou despercebido era o fato de Dimitri e Sokkan serem casados, acho que poderia ter explorado melhor a vida pessoal deles, quase não percebemos que eles eram um casal, mas nada que comprometesse a leitura ou fosse algo mal feito. Para quem gosta de fantasia com bastante aventuras é um prato cheio.
Ao crescer Ven se torna capitã do aeronavio, obviamente, e decidi ir atrás do Tesouro Celeste que seu pai tanto almejou quando era vivo, tendo um mapa nas suas mãos e contanto com a ajuda de seus fiéis amigos, que além de Dimitri e Sokkan, o cartógrafo tímido Tengim que nutre um amor platônico por ela. Ven só não contava com a traição de seus outros tripulantes e do seu amante Rao que passam a perna nela, pois eles são aliados dos inimigos do seu pai para ir atrás do Tesouro Celeste, além de matar um dos pais da Ven, Dimitri. O seu próprio amante tenta matá-la e a joga do aeronavio que para mim é a melhor cena do livro em que o leitor fica naquela expectativa será que a Ven morreu? Como ela vai conseguir se salvar? Confesso que esse capítulo me tirou o fôlego, adoro essas cenas de aventuras e guerras hehehe.
Eu não vou ficar dando muitos spoilers para vocês de como é a história, se não ficarei aqui narrando todos os capítulos e para quem for ler perderá a graça. Mas, adianto que a Ven dá a volta por cima e recebe ajuda de novos amigos, passando por novas aventuras para resgatar seu precioso Fortuna de Cellis, o Tesouro Celeste e se vingará da morte de um de seus pais amados.
Adoro quando a literatura retrata mulheres corajosas, bravas, guerreiras e acima de tudo, reais. A Vem é ousada, forte, corajosa, vai atrás do que quer e é bem determinada. Me apaixonei muito pela Capitã. Vale muito a pena ler A Herdeira do Vento.
O livro retrata vários temas como magia e células azuis. Os piratas, bruxos, sintéticos, reis são os personagens que compõem esse enredo envolvente na busca por um tesouro há muito tempo esquecido.

Sinopse

“A Herdeira do Vento e o Tesouro Celeste é uma obra de fantasia que agrada este leitor, mas também aos leitores dos grandes clássicos da literatura. O livro, publicado pela NotaTerapia Editora, por Jefferson Navarim, conta a história da filha de um dos piratas mais cruéis que já existiu. Um dia, ela recebe a pior das heranças. Agora dona de um aeronavio e líder de sua tripulação com uma longa vida de crimes, Ven Gaoithe ainda decidindo se deve ou não abandonar o caminho que lhe foi imposto e parte em uma jornada a procura do maior tesouro perdido da história. Em sua jornada cheia de traições e morte, ela encontra evidencias de que o mundo cheio de mistérios em que vive pode ser bem diferente do que todos imaginam e que os pecados de seu pai lhe assombrarão para sempre”. 

Tirado do site http://notaterapia.com.br/2017/05/24/hoje-nao-ha-mais-limites-para-literatura-entrevista-com-jefferson-navarim-autor-de-herdeira-vento/